Notícias

Home > Notícias > Arqueologia > Arqueólogo, “Guardião de Palmira”, foi decapitado pelo Estado Islâmico

23 ago

Arqueólogo, “Guardião de Palmira”, foi decapitado pelo Estado Islâmico

Arqueologia Por: Jason Jr. Comentários

O ex-diretor do departamento de antiguidades da Síria, já aposentado, Khaled Al-Asaad, de 82 anos, , responsável pelas pesquisas e proteção das ruínas da cidade de Palmira, foi brutalmente assassinado pelos jihadistas do Estado Islâmico.

Em maio noticiamos aqui no HE, a tomada de Palmira pelo grupo extremista islâmico. Lembrando que a cidade é um patrimônio da Humanidade pela UNESCO, e hoje está impedida de receber turistas e pesquisadores, graças ao Estado Islâmico.

Há cerca de um mês o arqueólogo também foi capturado por eles e torturado. Os seqüestradores queriam informações sobre tesouros arqueológicos que possivelmente estariam escondidos.

Os próprios familiares comunicaram ao atual Diretor de Antiguidades da Siria, Maamum Abdelkarim, que o arqueólogo havia sido executado na ultima terça-feira (18). E seu corpo foi amarrado com os pés para cima, em um poste, com um cartaz que o identificava, e sua cabeça colocada logo abaixo do cartaz. O comunicado ao mundo foi feito por Abdelkarim:


O Daesh (acrônimo em árabe do Estado Islâmico) executou um dos especialistas em antiguidades mais importantes da Síria.


E a diretora geral da UNESCO, Irina Bokova, completou:

 

Eles o mataram porque ele não queria trair seu compromisso profundo com Palmira.

 

Por ser o maior estudioso da antiguidade na Síria, e por se tratar de Palmira, a UNESCO fez um comunicado para agradecer os trabalhos de Khaled Al-Asaad:

 

Seu trabalho viverá para muito além do alcance destes extremistas. Eles mataram um grande homem, mas nunca conseguirão silenciar a história.

Comente abaixo sobre esse post:

Copyright © História Estúdio - 2019